08/12/2017

Resenha Premiada: O Beijo Traiçoeiro


Título: O Beijo Traiçoeiro (#1)
Autor(a): Erin Beaty
Editora: Seguinte
Páginas: 440
Compre: Amazon | Submarino
Livro cedido em parceria de ação com a editora
Com sua língua afiada e seu temperamento rebelde, Sage Fowler está longe de ser considerada uma dama — e não dá a mínima para isso. Depois de ser julgada inapta para o casamento, Sage acaba se tornando aprendiz de casamenteira e logo recebe uma tarefa importante: acompanhar a comitiva de jovens damas da nobreza a caminho do Concordium, um evento na capital do reino, onde uniões entre grandes famílias são firmadas. Para formar bons pares, Sage anota em um livro tudo o que consegue descobrir sobre as garotas e seus pretendentes — inclusive os oficiais de alta patente encarregados de proteger o grupo durante essa longa jornada. Conforme a escolta militar percebe uma conspiração se formando, Sage é recrutada por um belo soldado para conseguir informações. Quanto mais descobre em sua espionagem, mais ela se envolve numa teia de disfarces, intrigas e identidades secretas. E, com o destino do reino em jogo, a última coisa que esperava era viver um romance de tirar o fôlego.

Vocês sabem que eu não sou uma leitora de romance de época, certo? Provavelmente se eu já comentei em seu blog falei justamente sobre isso e todos os problemas que eu vejo nesse gênero literário. Então quando a editora me mandou esse livro na parceria de ação eu fiquei com o pé atrás e considerei mesmo não ler esta obra; Porém essa foi a obra que ganhou para a leitura coletiva de Dezembro no grupo de leitores do blog Da Imaginação a Escrita e Pobre Leitora. Então resolvi que não me cairia os olhos dar uma chance e sair um pouco da zona de conforto.

06/12/2017

Série: Dark — 1ª Temporada


Dark é a primeira série alemã da Netflix e teve a sua estréia no dia 1ª de Dezembro. Ela é ambientada em uma pequena cidade da Alemanha onde o o suicídio de um homem e o desaparecimento de um menino geram eventos estranhos. A série tem esse ambiente escuro (sem trocadilhos com a tradução do nome) que da a impressão de ser uma série de terror, mas asstindo ao trailer podemos perceber que ela tem muito mais relação com ficção cientifica do que terror propriamente dito. Isso não significa que ela não tenha uma grande carga de suspense, já que a maior parte de seus episódios são cheios disso e nenhum — acredite se quiser — nenhum alivio cômico.

04/12/2017

Resenha: Talvez um Dia



Título: Talvez um Dia
Autor(a): Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 368
Compre: Amazon / E-book

Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.

Eu nunca escondi o crush enooorme que eu tenho pela CoHo neste blog, certo? Fazia muito tempo que eu não lia nada da autora e estava sentindo uma saudade imensa de suas histórias que, sempre, me fazer acreditar no amor e na bondade das pessoas. Ela não escreve simplesmente um romance, ela se aprofunda nos sentimentos de seus personagens nos fazendo ama-los ou odia-los. Então quando fui na biblioteca da minha cidade levar vários livros que tirei da estante para doação resolvi pegar algo emprestado e vi CoHo ali na estante dos mais queridos pelos leitores (e fiquei mega feliz de saber que a galera daqui também curte ela).

Talvez um Dia foi, dos livros que li até o momento da autora, o que eu menos gostei. A história é sim maravilhosa e a protagonista, Sydney, é uma personagem muito adorável. Ela acabou de completar 22 anos e descobriu que seu namorado e sua melhor amiga estão tendo um caso. Tudo em que ela acreditava desmoronou e então ela se vê completamente perdida em que rumo tomar; mas recebe então a ajuda de Ridge, um rapaz que ela sempre observava da varanda de sua casa tocando violão. De inicio eles tem uma amizade bem legal e como ele é compositor com sérios problemas de bloqueio criativo ela a ajuda a compor as novas canções para a banda do irmão de Ridge. Aos poucos a relação deles passa um pouco da amizade e se torna atração fisica até o ponto em que eles percebem que estão apaixonados. O problema real nisso é que Ridge tem namorada.

01/12/2017

Cadê meu Fone? #10


Hoje a coluna Cadê meu Fone? vai ser especial. Como todo mundo deve saber este ano o vocalista do Linkin Park faleceu e por mais que eu não seja super fã da banda há alguns anos eu tenho um amor imenso pelos dois primeiros álbuns (eu sei, sou a chata da velha guarda). Mas vou listar aqui algumas músicas deles que me marcaram durante a adolescência e talvez até alguma da fase adulta da minha vida.Vem comigo. -q

29/11/2017

Resenha: Os Crimes da Rua Morgue


Título: Os Crimes da Rua Morgue (E Outras Histórias Extraordinárias)
Autor(a): Edgar Allan Poe
Editora: Rocco
Páginas: 224
Livro cedido em parceria com a editora
Com “Os crimes da rua Morgue”, Edgar Allan Poe inaugurou, em 1841, a moderna literatura policial e criou um de seus mais célebres detetives, o até hoje reverenciado Auguste Dupin. O conto, que narra a memorável investigação do assassinato de duas mulheres em um quarto fechado, é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida por ninguém menos que Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como “A máscara da morte rubra”, “O gato preto”, “Ligeia” e outras. Lançamento do selo Fantástica Rocco, esta edição de Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias recupera este encontro, literalmente, fantástico.

Por diversas vezes eu me vi curiosa para ler algo de Edgar Allan Poe. Um autor pioneiro na literatura policial, influenciados de outros gêneros e claro, querido por muitos. Eu sempre tive um certo com receio com autores e livros clássicos, além de contos, mas as vezes é bom sair da zona de conforto e ler algo novo. E juntei tudo isso para ler, pela primeiras vez, uma obra dele. A experiencia como um todo foi bacana, mas não me vi apaixonada por sua escrita como muitos colegas são na blogosfera.

27/11/2017

Top 5: Sandra Bullock


Oi, amores.
Faz um tempo que não faço um top aqui com atores (neste caso uma atriz) que eu curti e etc, então dessa vez resolvi fazer para matar a saudades e ficar triste com os filmes que preciso me atualizar auheuiohuehuaie rindo de nervoso.

A escolhida foi a maravilhosa Sandra Bullock que já deu show de atuação em diversos papeis nos mais variados gêneros. Ela é uma das primeiras atrizes que eu tenho recordação de ver filmes na infância e desde então tenho um grande respeito por ela. Ela já ganhou um Oscar, um Globo de Ouro e tem outros prêmios (vários People Choice, afinal a voz do povo é a voz de Deus).

24/11/2017

Resenha: 10 Coisas Que Nós Fizemos


Título: 10 Coisas Que Nós Fizemos (E Provavelmente Não Deveríamos)
Autor(a): Sarah Mlynowski
Editora: 366
Páginas: Record
Compre: Amazon / Submarino

Se tivesse a oportunidade, que adolescente de 16 anos não mergulharia de cabeça na chance de ir morar com um amigo e viver sem os pais? Nesta engraçadíssima história, Sarah Mlynowski investiga o coração e a mente de uma garota que está, pela primeira vez, por conta própria. Para chegar ao fim do ano, ela precisará fazer malabarismos com um triângulo amoroso, aprender a lavar roupa e aceitar que seu mundinho pode estar prestes a ser detonado… por cada coisa que não deveria ter feito.

Tem algumas histórias que são absurdas e outras que vão ado absurdo para o muito absurdo em poucas páginas. E é praticamente o que aconteceu com este livro. Não que eu tenha odiado ele, afinal até avaliei com 3/5 estrelas no Skoob. Mas ele incomoda um pouco no final (geralmente é ao contrário, né? rs).

April tem 16 anos e já passou por alguns momentos difíceis na vida por causa da separação de seus pais, a mudança de sua mãe para a França e o novo casamento de seu pai. Parece um white people problem, né? Entendo, mas para uma menina que descobriu que a mãe estava traindo o pai quando tinha cerca de 13 anos, teve que lidar com a separação quando tinha 14 e neste mesmo período até uma depressão é algo grande sim. Então quando seu pai diz que vai se mudar de estado com sua nova esposa ela faz de tudo para ficar na cidade onde ela tem seus amigos e namorado. E aí que começa o problema, né? Entre mentiras, contas de e-mail falsa e até ligações falsas ela consegue então ficar na casa de Vi, que mora com a mãe ausente. As mentiras começam por aí, e claro que eu não vou listar todas elas.